A Grande Guerra Chegou

O coração de muita gente parou ontem com a divulgação do trailer da sétima temporada de Game of Thrones, e não é pra menos, que trailer, senhoras e senhores!



Mas vamos com calma! O que esse trailer nos mostra? Primeiro, é importante que finalmente tenhamos a certeza de que Daenerys finalmente desembarcou em Westeros, não parou em nenhuma outra cidade escravagista pelo caminho... glória a R’hllor! Pelo que vi no trailer, me parece que ela desembarcou em Pedra do Dragão, tem uma cena dela sentada em um trono feito de rocha, o que faz sentido, pois foi por aí que seus ancestrais começaram a tomada dos sete reinos.
Vimos um choque entre imaculado e as forças Lannisters, em um possível ataque ao Rochedo Casterly, e Dothrakis nos campos, uma gigantesca cavalaria derrotando tudo que encontra pelo caminho. Daenerys controla dois exércitos poderosos até demais, imaculados são fortes em cercos e dothrakis são ferozes em campo aberto. E como se não bastasse, tem os dragões!
A cena que fecha o trailer, um dragão voando junto a uma tropa, é a vitória consolidada. Talvez vejamos algo semelhante aos campos de fogo, acontecendo mais uma vez. Mas Cersei está confiante. Teria ela alguma cartada?
Arya chegou no norte, e por lá é aquela treta de sempre: tem algo ainda maior vindo. Será que Daenerys vai nutrir algum rancor contra Starks, afinal eles foram grandes responsáveis pela ruína de sua família.

É tanta treta em menos de dois minutos, impossível não ficar empolgado! A grande guerra chegou minha gente! 

Carnival of Rust

Não conheço essa banda, Poets of the Fall, sendo essa música a única deles que já escutei. Devo dizer Carnival of Rust me ganhou desde o primeiro momento que vi o clipe. A todo um clima de tristeza carregado no ar, um clima de final, de um mundo que perdeu toda a sua beleza e alegria.

A letra, que também não deixa de ser melancólica, tem seus momentos de grandiosidade, aliado aos belos figurinos do clipe, calam fundo na alma. Gostei muito do clipe, o que parece um circo decadente, com uma marionete toda corrompida, cantando de um jeito bem afetado.




  Já escutei várias vezes e não me enjoo dela...

O Gigante que não despertou

 Um conto curto, estava eu devaneando na cama, ouvindo música, e as palavras foram se amontoando em minha cabeça. Gostei bastante do resultado. Tive boas influências do trecho onde Bárbarvore leva os Hobbits, contando o que Saruman anda fazendo em suas florestas. Enfim, boa leitura!



Sou um gigante, altivo e orgulhoso, dono de um povo sem igual em toda a face do mundo. Meus territórios se estendem desde as terras tropicais, até os frios domínios do sul, um vasto reino que daria inveja a muitos imperadores do mundo antigo.
Minhas terras são verdejantes, e alegres são os rios que correm pelos campos, e a vida salta por toda parte, cheia de formas e cores, coisas que não se encontram em nenhum outro lugar.
Não estou sendo realmente honesto. Essas são lembranças, de dias antigos há muito esquecidos, quando meu povo ainda era primitivo, e quando deuses ainda andavam por aí. Hoje, o mundo mudou, e meu povo também. Não que eu não sinta por eles um amor como o daqueles dias...mas parece que eles não sentem o mesmo.
As grandes florestas estão cada vez menores, árvores antigas das quais eu conhecia pelo nome, e que estiveram comigo desde pequenas, hoje já não são mais encontradas. As belas cores de muitos animais há muito foram esquecidas, enquanto espécies inteiras foram apagadas da face do mundo.
Cinzentos se tornaram meus campos, repletos de cidades dos homens, com seus altos prédios, e seus veículos barulhentos. E amontoados de casas tomaram os montes, de onde a alegria de outrora parece fugir.
Meu povo cresceu e se espalhou, tomou conta de todos os territórios que os entreguei, mas não da forma que esperava. Desleixados, parecem não se importar em cuidar das coisas, parecem que não se importam com a própria casa.
Tenho o poder de me tornar um dos grandes reinos da terra, senão o maior. Meus territórios não são apenas vastos, mas ricos em recursos de toda espécie, algo que reino nenhum possui. Meu povo não é apenas numeroso, mas é diverso em culturas e conhecimento, como uma fusão de quase todos os outros povos do mundo, trazendo consigo um pouquinho do melhor da sabedoria estrangeira, se misturando a nossa própria cultura. Um povo capaz de se tornar especialista em qualquer assunto que seja.
Posso fazer frente aos grandes titãs desse mundo. Mas infelizmente isso não passa de um sonho. Meu povo parece não desejar a grandeza, nem se importar em atingir a melhor forma que possamos ter. Ao invés disso se preocupam unicamente com o agora, abrindo mão de toda possibilidade de esplendor.
Os líderes, que deveriam reger meu povo com sabedoria e honra, não pensam em outra coisa que não seja acumular riquezas para si próprio. Reunindo grandes quantidades de um papel que no futuro pode não valer coisa alguma, confundem o verdadeiro poder com dinheiro.
Eles roubam de si mesmos, enquanto me destroem aos poucos, secam meus rios, acabam com minhas florestas e depredam meus campos, entregando partes de minhas queridas terras a estrangeiros sem escrúpulos. Tudo por punhados de dinheiro.
Eu lhes daria muito mais! Sim, juntos, eu lhes daria a verdadeira glória de sermos os maiores deste mundo, e o mundo seria outro sob nosso reinado! Mas eles não buscam pela glória. Eles não se importam comigo.
E na medida que a ambição destes poucos homens aumenta, o sofrimento de meu belo povo cresce igual. A miséria se espalha, junto com a ignorância e a violência. Meu povo mata a si próprio, iludidos por questões que não tem importância.
O sangue inunda minhas terras, tão forte e tão espesso, que já me sinto embriagado. E quem não sangra, chora lágrimas salgadas que destroem meu coração. Quantas famílias eu já não vi terminarem? Quantas vezes eu já não testemunhei uma criança faminta não ter o que comer? Ou um doente morrer sem ter ninguém que o conforte?
Meu povo sofre, sem nem mesmo imaginar a grandeza que poderíamos atingir. Seus olhos estão cegos, e a triste realidade em que se encontram é tudo o que conhecem. Não pensam em outra opção que não seja seguir em frente, apesar de toda a dor e desesperança que o amanhã traga.
Eu me sinto triste, imensamente triste, ao sonhar com uma realidade diferente, onde toda essa dor não tivesse nem mesmo começado. Sinto culpa por não ter feito nada que impedisse esse terrível destino.
Mas agora é tarde. Meu reino está em ruinas, meu povo está perdido, pois seus líderes já não se importam com mais nada, e todos estão divididos em discussões tolas envolvendo cores, conceitos e ideais que não levarão a lugar algum.
Dizem que meu povo é alegre, mas não se engane. Eu os conheço bem, e sei que o riso é para esconder o choro, e a alegria fingida é para sufocar a tristeza.

Eu sou o gigante que não despertou, e infelizmente, estou morrendo...

O lamento dos três

Havia um segredo, que apenas o grande mestre tinha conhecimento. Do mundo dos mortos nada podia ser feito a respeito. Nada que pudesse ajudar Athena na guerra que viria. Por isso, os cavaleiros que antes caíram, aceitaram uma vez mais se levantar, mas dessa vez não como cavaleiros, mas como ratos, traidores sem honra, com armaduras negras cobertas pelo desprezo.



Mas no início da batalha, nada disso ainda veio à tona. Quando Mu decide barrar a mais recente invasão ao santuário, ele nem sequer imagina as proporções do que está acontecendo.
Tudo que ele sabe é que aqueles três estão vivos novamente, submissos a Hades, inimigos terríveis de se enfrentar, mas diante dos quais ele não irá recuar de forma alguma. Mas no meio da batalha, por um breve instante, ele vislumbra o que realmente está acontecendo.
Shura, que sempre fora o mais fiel dos cavaleiros, Camus, um dos mais valorosos no Santuário, e Saga, poderoso, orgulhoso, e que carrega consigo a dor de já ter se voltado contra sua deusa. Os três inimigos trajados de sapuris que mais são uma zombaria de Hades as sagradas armaduras douradas, estão chorando.
Suas almas choram sangue.


Eles sentem a dor de se voltarem contra seus amigos, e não poderem dizer uma só palavra. A dor de serem odiados por eles, e nem ao menos se explicarem. Abriram mão da dignidade, e se humilharam, para dar a Athena, uma chance de vencer o mal.
Um cavaleiro de Athena dilacera sua alma, se preciso for. Não importa o quão terrível seja o sacrifício, eles o farão. A determinação de um cavaleiro não pode ser detida, nem mesmo pela morte.

O lamento dos três é o nome perfeito para o segundo episódio da saga de Hades. O sacrifício que os três estavam para realizar estava apenas começando. 

Torneio de Campeões

Comecei uma jornada pelas grandes sagas da Marvel, peguei uma lista lá no Legião dos Heróis e a usei como referência. A lista, você pode conferir aqui. Comecei então, por Torneio de Campeões!
O arco, dividido em três partes, conta sobre uma competição, organizada por uma entidade cósmica chamada Grande Mestre e a própria Morte. O objetivo dessa competição é simples, o destino do Colecionador.



Em histórias anteriores, o Colecionador foi morto. Seu irmão, o Grande Mestre, quer trazê-lo de volta. Os dois irão competir, se o Grande Mestre vencer, a Morte terá que revivê-lo.
Para a competição, as duas entidades paralisam a Terra, deixando-a congelada fora do tempo, e levam todos, e veja bem, eu disse TODOS, os heróis de nosso mundo para uma arena galáctica onde o torneio irá acontecer.
Nessa saga a gente se dá conta que existem muitos heróis. Mas muito mesmo. Heróis de todos os países são convocados para a disputa, e enchem a arena. Entretanto, não serão todos que irão competir, cada entidade escolhe apenas 12 para representa-lo.


Uma relíquia chamada Globo Dourado da vida é dividida em quatro partes, e escondida na Terra. Os doze são divididos em quatro grupos, e devem então batalhar pelas partes da relíquia. Ao fim, os representantes que obtiverem mais partes da relíquia vencerão a competição.
As lutas, apesar de serem simples, trazem embates bem curiosos, trazendo à tona conflitos milenares entre povos diferentes. Por mais que algumas figurinhas carimbadas estejam presentes, o número de personagens dos quais nunca havia sequer ouvido falar é bem grande.
As lutas focam bem nas diferentes habilidades que cada herói tem, e como cada um tem uma certa vantagem contra determinado poder. Não espere, é claro, batalhas épicas e colossais, pois mesmo que os heróis estejam em lados opostos, é apenas uma competição, isso não os torna inimigos mortais.



Por ser uma saga relativamente curta, é uma leitura muito interessante, não só pelos confrontos curiosos que acontecem, mas também para conhecer uma penca de personagens. Fiquei surpreso que o confronto não tenha se resumido a Capitão América Vs Homem de ferro... os dois estavam em times opostos, mas nem sequer se encontraram durante a competição.


Roda D'verso

 O grande Makenze, amigo de longa data que já foi citado várias vezes por aqui, começou um canal no youtube. A proposta é espalhar uma parte de nossa cultura, tão ignorada por nós, trazendo versos de poetas lendários acompanhados de um melodioso violão:



    Apoie esse projeto, deixe uma curtida e se inscreva no canal. Em breve aquele violão ali vai carregar uma logo minha, ô se vai!


A segunda temporada de Shingeki até agora

Já estamos aí com seis episódios lançados da nova temporada de Shingeki, e não tem como não falar sobre isso. Se você ainda não assistiu todos os seis, cai fora daqui por que vai ter spoilers, e acredite em mim, você não vai querer descobrir isso lendo meu post e sim assistindo.


Desde que a temporada recomeçou, uma certa brutalidade está no ar, carregada de sangue e mistério. Desde o primeiro episódio, com o surgimento do titã bestial e todo o mistério que ele carrega. O maldito fala, é muito mais inteligente que todos os titãs comuns, e parece saber algo a respeito de todo o mistério envolvendo esse mundo.

“ Vocês atacam direto na nuca, sabem onde estamos. ” Ele diz em uma das cenas. “Aparelho interessante esse”, sobre o equipamento usado para combater os gigantes. E como se não bastasse, junto com sua aparição, titãs começaram a surgir dentro da muralha, sem nenhuma explicação.
Não existe buraco na muralha, e tudo nos leva a crer é que pessoas foram transformadas nos terríveis gigantes.
A chocante revelação de que no interior da muralha também tem titã, um segredo que vem sendo mantido pela igreja, sabe-se lá por quanto tempo. Sempre houve um desejo das tropas de exploração de fortificar as muralhas mais externas, mas isso sempre foi proibido pela igreja, que idolatra as três muralhas.
Isso é genial. Qual a forma de impedir que as muralhas sejam sequer tocadas? Cultuando-as! A religião era a única forma que tornaria criminosos qualquer tentativa de alteração nos grandes muros, mantendo o segredo no mais absoluto sigilo... até agora.
E junto com toda essa revelação, veio o fato de que a pequenina Krista é na verdade uma filha bastarda da família real, vivendo por ali escondida. Seu sangue é da alta linhagem, seu nome verdadeiro é Historia, e ela pode conhecer os segredos deste mundo.
E justo ela está no olho do furacão.

Presos em uma torre, estão ela, Connie, Ymir, Reiner e Bertolt. Cercados por titãs. Mortes terríveis e cruéis nos mostram o quão frágil é a vida nesse anime, e por mais habilidoso e forte que o personagem venha a ser, heroísmo nem sempre acontece, e o que se desenrola não são mortes honradas, mas brutais e terríveis.
Não é um mundo para o qual os fãs gostariam de ir, sem dúvida. No meio de tanto anime colorido, onde tudo dá certo, onde todos terminam felizes, é bom ver um que tenha esse tom um pouco mais pesado, mais sujo, mais cruel. Nos dá uma sensação de insegurança. Shingeki é um anime onde tudo pode acontecer.
Tudo, como por exemplo, Ymir, uma personagem que eu provavelmente nem havia prestado atenção antes, pula do topo da torre, e se transforma em uma titã! É de explodir os miolos! Ymir vira uma titã mais baixinha, porém mais ágil, e começa a virar a luta, que já parecia perdida.


Ymir tem alguma relação com Reiner e Bertolt, algo ainda não explicado.  Mais mistérios, mas nem dá pra pensar muito nisso, porque o número de titãs ali é muito alto, e Ymir acaba sendo subjugada, e devorada!
Mais brutalidade, mais reviravolta. E quando tudo parece perdido, Mikasa, Levi e uma galera chegam para salvar o dia. Eles limpam a área, e tudo se acalma. Ymir ainda não morreu, eu acho, Estado crítico, mas ainda viva.
E, quando tudo parecia estar bem, Reiner se desespera, querendo logo pôr fim a sua jornada, querendo logo voltar para casa, e revela que ele e Bertolt são os grandiosos Colossal e Encouraçado, e querem que Eren vá com eles.
Já havia uma suspeita por parte deles. Armin é muito sagaz, e notou coisas que nem mesmo nós que assistíamos notamos. As pistas estavam sempre ali, diante de nossos olhos. Mikasa os ataca, e não os deixa com outra alternativa que não a de assumir suas majestosas formas. E é aí que o coração para.















Uma das cenas mais majestosas de todos os animes que já vi, trilha sonora épica, animação com muita qualidade, uma carga dramática pesada, Reiner e Bertolt assumem suas formas de titãs, crescendo na muralha, jogando tudo pelos ares, e capturando Eren e Ymir.
Os dois são inimigos. Mas não são a figura típica de vilões que a maioria das histórias nos mostra. Eles eram bons amigos, já salvaram a galera várias vezes. Eles têm algum motivo para estarem fazendo isso, é como anda dizendo o trailer do Injustice 2: cada vilão é o herói de sua própria história.
Eren em lágrimas também vira titã, mais uma vez sendo forçado a se levantar contra um amigo, mais uma vez se sentindo traído. O que virá agora será uma luta de estremecer a realidade, e mal posso esperar para por meus olhos nisso!

Shingeki é, sem sombra de dúvidas, um dos animes mais empolgantes e com uma das histórias mais complexas que já vi. Por mais animes assim!

O Viramundos

 Escrevi um conto, e o processo foi bem divertido. Mhero é um jovem que gosta de explorar terras novas, em busca de glória e riquezas. Mas seu atual estado de pobreza o obriga a aceitar um trabalho enfadonho na loja de antiguidades de seu tio, apenas por algumas moedas.
Em meio a tantas relíquias, Mhero irá encontrar algo além de sua compreensão.

 Boa leitura! Creditos ao Kaito, pela capa!




Mhero bocejou, entediado, enquanto encarava, do balcão, a loja de antiguidades completamente vazia. Nenhum freguês havia aparecido nas ultimas três horas, e o jovem já considerava que seria seguro tirar uma soneca ali mesmo. Mas imaginou a carranca de seu tio, caso chegasse de repente e o flagrasse dormindo em serviço, e concluiu que seria melhor ficar muito bem acordado.
A loja, chamada Nievro, ficava bem no centro da cidade de Allerio, numa das ruas mais movimentadas que conduziam a praça central. Estava lá desde sempre, e era referência quando se tratava de artigos raros, ou relíquias mágicas, sendo muito frequentada por magos e elfos, e as vezes alguns aventureiros procurando mapas ou chaves antigas.
Mas nesse dia, nenhum deles resolvera aparecer, para alegria e tédio de Mhero, que ficara responsável pela loja a pedido de seu tio. O rígido Andheo Nievro, dono do estabelecimento, precisara resolver algum assunto urgente do outro lado da cidade, e não tivera mais ninguém a quem recorrer.
Por mais enfadonho que o serviço fosse, Mhero aceitara de bom grado receber algumas moedas apenas por ficar dentro da loja, sem fazer nada. Já estava planejando em qual taverna gastaria seu pagamento, e daria um jeito de multiplica-lo nos dados que os bêbados estavam sempre jogando.
“ Não mexa em nada! ” Foi a ordem mais repetida por seu tio, como se Mhero ainda fosse uma criança. Mexer em que? Na loja só haviam coisas antigas e tediosas, nada que valesse o esforço. Se ao menos uma espada mágica estivesse por ali dando sopa..., mas não, seu tio era um homem assustador quando estava zangado, e a última coisa que Mhero iria querer era irritá-lo.
Sendo assim, tornou a se sentar na desconfortável cadeira que ficava atrás do balcão. Ao menos a hora do almoço estava chegando. Sob a permissão de seu tio, poderia fechar a loja por uma hora para comer, e planejava fazer isso em breve. O estômago roncou, em aprovação.
A porta se abriu, fazendo a sinetinha tocar suavemente. Mhero olhou em direção ao surpreendente cliente, como se olhasse para uma miragem. Era um homem alto, esguio, de cabelos longos e dourados, pele pálida e orelhas pontudas. Um elfo, que sorriu gentilmente ao ver a cara de espanto do jovem no balcão.
— Nievro não está? – Perguntou o elfo, com sua voz melodiosa
— Ele teve problemas para resolver, deve retornar mais tarde.
— Entendo – O elfo olhou diretamente para Mhero, causando um certo desconforto ao jovem – Você é o sobrinho dele, Mhero?
— S-sou...
— Se não for incomodo, Mhero, acredito que seu tio deixou um pacote separado, destinado a mim. Poderia olhar nos fundos? Deve estar identificado com uma runa, não é algo grande.
Mhero concordou, e foi até os fundos da loja verificar. Na parte de trás da loja, o depósito, havia muita coisa, mas totalmente organizado. Seu tio não suportava bagunça de forma alguma. Haviam caixas e mais caixas, seladas ou abertas, livros de todos os tamanhos, pinturas, estátuas, vasos... e uma pequena mesa, num canto perto da porta. Nessa mesa, uma pequena vasilha, com um bilhete. A caligrafia fina de seu tio era visível, e estava escrito “Mhero”.
— Almoço! – O jovem vibrou, ao abrir a vasilha e ver a torta que o esperava
Continuou procurando, quando um pequeno baú chamou sua atenção. Era todo preto, lustroso, e tinha detalhes em dourado. Mas sem nenhuma runa, então esse não era o pacote. Depois de vasculhar mais um pouco, achou em uma das prateleiras, uma caixa amarelada, com uma runa antiga, que se a memória de Mhero não estivesse equivocada, queria dizer “Kënda’ro”, um nome próprio.
Apanhou o pacote, e voltou até o balcão da loja, coçando a barbicha que crescia em seu queixo, com uma expressão de curiosidade:
— Kënda’ro? – Perguntou, mostrando a runa ao elfo – é seu nome?
— Sabe ler runas? – O elfo indagou, surpreso
— Um pouco, as vezes Andheo me ensina. Pode ser útil em minhas viagens, ele sempre diz.
— Quem diria. Seu tio está certo, ler runas pode ser muito útil ao explorar florestas. Basta ficar atento. Sim, meu nome é Kënda’ro.
— Bom, então isso é seu – Mhero entregou ao elfo o pacote
— O pagamento já foi acertado com seu tio. Diga a ele que agradeci imensamente, e que voltarei em três dias, como o combinado.
— Certo, eu direi.
O elfo agradeceu, e foi embora, levando seu pacote misterioso. O que havia nele, e por que o elfo retornaria em três dias, Mhero não fazia e nem faria ideia. Seu tio raramente falava sobre seus clientes, ainda mais com ele, que constantemente ficava bêbado pelas tavernas, falando asneiras.
De qualquer forma, estava cansado de tanto trabalhar. Era hora de almoçar. Trancou a porta, fixando na vitrine a placa de “fechado para almoço, retorno em uma hora”, e foi até os fundos, aproveitar seu merecido descanso.
Apanhou sua torta, um pouco de pão e cerveja, encontrou um canto confortável es e sentou em meio as mercadorias.  Apesar de cheio, o estoque era bem espaçoso. Ficou olhando todas aquelas coisas antigas enquanto comia.
O baú novamente lhe chamou a atenção. Era bonito, parecia bem polido, e os detalhes em dourado eram muito bem feitos. Decidiu que depois de comer, daria uma boa olhada nele. E foi o que fez.
Não era pesado. Estava tão lustroso que Mhero conseguia ver o próprio reflexo nele. A tranca era dourada. Será que tinha alguma coisa dentro? Estava, obviamente, trancado, mas nada que pudesse impedir alguém tão talentoso como Mhero, que abria trancas complexas numa velocidade absurda.
Apanhou sua pequena ferramenta de violar trancas, que sempre levava consigo, afinal, nunca saberia onde precisaria dela, e sem dificuldades, destrancou o cadeado, que se abriu com um clique alto.
Uma luz veio da fresta do baú, e lentamente Mhero o abriu. Uma pequena bolinha rosada repousava no seu interior. Ficou encarando-a, tentando entender do que se tratava. A bolinha começo a se mexer devagar, e logo algo que parecia uma cabeça se projetou para cima. A bolinha era um pequeno animalzinho, parecia um cachorrinho em miniatura.
Tinha uma pelagem que parecia sedosa, e mudava de coloração conforme se olhava para ela, variando em tons de rosa, roxo mais escuro e a um azul mais claro. Suas patinhas, apesar de pequenas, eram bem robustas, e uma fina calda começava a se agitar.
A criaturinha abriu dois olhinhos sonolentos, e Mhero sentiu-se hipnotizado pela graciosidade da coisinha.  Notou que o pequenino tinha um bico ao invés de um focinho, e pequenas asinhas lhe saindo pelas costas.
Passou o dedo suavemente pela cabeça do bichinho, que pareceu ronronar em satisfação. Mhero nunca vira animalzinho igual em nenhum lugar do mundo. Intensificou os carinhos, e o bichinho pareceu gostar, enquanto se espreguiçava para afastar o sono.
O bichinho irrompeu em um pulo, saltando para fora do baú. Mhero se assustou, e caiu de costas. A criaturinha pulou sobre ele, e então, uma grande confusão se instaurou no pequeno depósito.
Uns sons profundos e altos, junto de um turbilhão de luz, envolveram Mhero enquanto caía. Quando atingiu o chão, tudo ficou escuro e quieto. Confuso, Mhero foi se levantando, e aos poucos sua visão e audição iam voltando ao normal.
Ouvia uma voz profunda e suave, falando incessantemente palavras em um outro idioma. Sem entender, e ainda sem enxergar direito, o jovem foi se levantando. A voz, que parecia distante, continuou a falar, até que de repente ficou quieto. E então outras vozes começaram a sussurrar ao redor, como se uma multidão estivesse ali.
“ Que diabos? ” Pensou ele, “estão assaltando a loja? ”, mas quando sua visão voltou, as coisas que viu não foram facilmente compreendidas. Não estava na loja. Estava em um grande salão dourado, rodeado por elfos, que o encaravam, tão surpresos e assustados quanto ele próprio.
O salão era imenso, e tinha o teto muito alto, abobadado. Janelas grandes permitiam que a luz entrasse no lugar, acentuando ainda mais a cor dourada. O chão parecia de ouro, mas era feito de madeira, e um cheiro de pinho enchia o ar. Os elfos, todos vestidos belamente, como nobres, se reuniam ao redor de um trono, onde a figura majestosa de um rei se erguia, com uma coroa feita de madeira retorcida e prateada lhe adornando os cabelos amarelos.
Ajoelhado no estrado do trono, com os braços presos as costas, um homem corpulento e sem camisa, com o corpo repleto de runas e desenhos tatuados em tinta negra ou vermelha. Careca e barbudo, o homem tinha um olhar severo. Devia estar sendo julgado pelos elfos, mas agora todas as atenções se voltavam para o recém-chegado.
Os mais próximos começaram a falara coisas em seu próprio idioma, e Mhero confuso apenas dizia que não fazia ideia do que estavam dizendo. O burburinho foi se intensificando, até que o rei se levantou em seu trono, e disse com clareza:
— Quem é você, humano? E é melhor não mentir!
— Eu... me chamo Mhero, majestade – respondeu, inseguro e tentando soar respeitoso – Mhero Nievro, meu senhor.
O nome Nievro produziu algumas reações, e até mesmo o rei parecia conhece-lo.
— O que faz aqui? – Perguntou um dos elfos mais próximos ao rei – como chegou aqui?
— Eu... não sei senhor! Não sei mesmo... estava na loja de meu tio, e de repente...
Mhero ficou em silêncio, sem conseguir entender o que havia acontecido. Os elfos o encaravam com grande desconfiança, mas também nada diziam, e o silêncio cresceu no salão. Então, um dos elfos finalmente falou:
— Quer nos fazer acreditar que você simplesmente surgiu em nosso salão? Neste exato momento, de grande importância para nós?
Mhero percebeu o quão idiota era a ideia, mas não conseguia pensar em mais nada.
— Quer mesmo que acreditemos que você não possui relação alguma com este homem?
O elfo apontou para o homenzarrão acorrentado. Mhero olhou instintivamente para ele, e pode notar no olhar do prisioneiro, um grande desprezo e maldade por todos os presentes. Nunca em sua vida havia visto tal homem, mas quem acreditaria nele? Aos olhos do elfo, tratava-se de uma tentativa fútil de resgate.
— Eu não o conheço, senhor. De verdade, não sei como vim parar aqui.
Os elfos começaram a falar entre si, em seu estranho e melodioso idioma. Por fim, o rei tomou a palavra, e disse com firmeza:
— Existem magias raras que permitiriam que um homem surgisse em lugares distantes, da forma como aconteceu – fez uma pausa e olhou fixamente para Mhero – com todo respeito, este que aqui surgiu não me aparenta ser um grande mago. E não sinto vindo dele magia alguma que possa iludir nossos sentidos, nem mesmo má intenção. Seu nome é Nievro, e creio que devemos a este nome ao menos o benefício da dúvida.
Um burburinho começou a crescer, ao que o rei ergue sua mão, e toda a corte fez silêncio novamente. O rei agora se dirigia diretamente a Mhero:
— Entretanto, é um momento delicado em que você decide surgir, ainda que alegue não ter sido intencional. Com certeza deve haver alguma explicação, mas temo que não dispomos de tempo para investigar a fundo o ocorrido. Contudo, dado este momento delicado em que minha corte se encontra, não poderemos deixa-lo ir, não sem um profundo entendimento do que ocorreu. Deste modo, ficará detido até que tenhamos tempo para julgá-lo.
— Detido? – Mhero se desesperou – mas eu não fiz nada, não podem me prender, eu preciso voltar, eu....
— Até que consigamos determinar seu propósito aqui, para o bem ou para o mal, o manteremos preso. Mas não se preocupe, será bem tratado! Guardas, levem-no!
Dois soldados élficos o apanharam pelos braços, e o conduziram pelo lado esquerdo do salão, até uma porta que se abria na parede dourada. Pode ouvir a corte explodir em comentários, e a voz do rei elfo se elevando sobre todas as outras.
Foi sendo conduzido por um extenso corredor, e após entrarem em uma porta a direita, desceram uma longa escadaria, só para então entrarem em um corredor. Era bem iluminado, as paredes feitas de pedra branca, e o chão de madeira escura. Esse corredor era repleto de portas de ambos os lados, e uma delas foi aberta, e Mhero foi conduzido para o interior de uma pequena cela.
O elfo disse algo que Mhero não entendeu, e a porta foi fechada atrás de si. A sala estava um pouco escura, mas era possível enxergar uma cama alinhada com uma das paredes, e uma pequena latrina improvisada do outro lado.
Ainda confuso, Mhero deitou-se na cama, olhando para o teto. “ Deve ter sido a criaturinha”, concluiu, sem muito esforço. Não fazia ideia de onde se encontrava. Pensou em arrombar a porta, e tentar fugir, mas concluiu que seria um esforço perdido e perigoso. Aquele reino deveria ser em meio a uma floresta, e assim que notassem sua fuga, Mhero passaria a ser caçado.
Concluiu que seria mais inteligente permanecer ali, e esperar que os elfos decidissem soltá-lo. Pelo visto, conheciam seu tio, e tinham algum respeito por ele. Isso era bom.
Um brilho rosa começou a inundar a pequena cela. Mhero então viu que, a pequena criaturinha, de alguma forma, havia surgido em sua cela.
— Aí está você – disse mais para si mesmo – se eu o capturar, vai ser mais fácil explicar minha situação!
Saltou sobre o bichinho, que também pulou de encontro a Mhero. Novamente, um turbilhão de luz o envolveu, com um som estrondante. Mhero sentiu como se seu corpo fosse arremessado, e caiu de cara no chão.
E fez-se um profundo silêncio. Foi se levantando devagar, à medida que sua visão ia voltando ao normal. Sentiu um forte vento frio soprando incessante. O próprio chão onde estava era muito gelado.
Escutou um som gigantesco se movendo, se aproximando. Sentou-se, e sua visão embaçada só conseguiu divisar uma gigantesca silhueta se aproximando. O chão era de pedra dura, e estavam a céu aberto. A enorme figura parou bem perto, e então uma voz retumbou, palavras aterrorizantes que fizeram o corpo de Mhero estremecer, mas não conseguiu entender seu significado.
A visão voltou, e o que Mhero viu petrificou-o por completo, fazendo sua alma sair de seu corpo, gritando alucinada por socorro. Um enorme ser quadrúpede, as patas dianteiras menores que as traseiras, com dois pares de asas que pareciam alcançar os céus, uma enorme cauda e um corpo coberto por escamas azuladas. Sua cabeça era comprida, e terminava em uma bocarra enorme, repleta de dentes. Parecia um ser velho, tão antigo quanto o mundo.
Nas terras frias do norte, no topo de uma grande montanha, diziam as lendas que vivia um poderoso dragão de gelo. Ali estava, diante de Mhero, a lenda viva. A visão, magnífica e aterradora, o deixou completamente sem reação.
O dragão falava, com uma voz retumbante, mas suas palavras eram irreconhecíveis. Até que o majestoso ser chegou bem próximo, e falou devagar:
—  Pode me entender agora, humano? Perdoe-me, mas a tempos não uso esse idioma, tão pobre e medíocre quanto sua espécie.
Mhero continuou sem reação, ao que o dragão prosseguiu:
Não tenho intenção de devorá-lo, se é o que te assusta. Não tenho apetite para seres tão gananciosos como vocês. O que tenho mesmo é a curiosidade, de qual o tolo motivo que o trouxe aqui, de forma tão repentina?
— E-eu não sei – respondeu Mhero, com a voz chorosa
O dragão farejou no ar frio da montanha, observando o rapaz que agora começava a tremer, fosse pelo frio ou pelo medo.
A muito não sinto esse cheiro. Quase sendo sufocado pelo medo, o cheiro em seu sangue. Você tem parentesco com aquele homem, sem dúvidas.
O dragão rugiu em fúria, soltando uma estranha labareda azulada em direção ao céu. Mhero queria correr, mas seu corpo não respondia. Olhou ao redor, e notou algumas rochas ao fundo, e começou a considerar correr em direção a elas. Mas agora o monstro olhava fixamente em sua direção.
Filho?  — Bradou o dragão – Não, o cheiro não é tão forte assim. Irmão? Não, não deve ser tão próximo. Sobrinho talvez?
O dragão bateu suas asas agressivamente, e falou, com a voz retumbante:
Sobrinho daquele humano pestilento? Não tenho dúvidas! O cheiro insolente dele está impregnado em seu covarde sangue que mal corre em suas veias!  Mas essa não é a vingança que tenho aguardado! Não, não é!
“Que ótimo”, pensou Mhero, “o dragão tem inimizade com meu tio. Se sair vivo dessa, vou lhe perguntar uma coisa, ou duas! ”
Viu de canto de olho, um brilho rosa, atrás das rochas onde queria se esconder. Isso o fez sair um pouco do torpor em que estivera. Tinha que correr, e agarrar a criaturinha rosa. Era sua única chance de sair dali. Mas precisaria ser mais ágil que o colossal dragão.
Se levantou, e saiu em disparada. O dragão, percebendo a audácia do pequeno humano, riu profundamente, e então abriu sua boca, e dela irromperam as geladas chamas azuis, que foram tomando conta de todo o topo da montanha.
Mhero se jogou, caindo atrás da rocha. As chamas se chocaram contra a pedra, que imediatamente ficou fria e começou a estalar, como se estivessem prestes a se romper. Ao redor, as chamas dançavam, congelando tudo que tocavam.
Mhero, acuado e com as costas contra a pedra fria, nada podia fazer, a não ser fechar os olhos e rezar. O bichinho rosa surgiu, e saltou sobre seu colo. Mhero olhou-o fixamente, e mais uma vez um turbilhão estrondante o dominou. O fio desapareceu, junto com a voz retumbante do dragão.
E então o escuro foi absoluto. Aos poucos, sua visão foi voltando, e dessa vez, não escutou nenhuma voz retumbante, ou barulho misterioso. Mas haviam passos apressados, e uma voz familiar, que dizia coisas irritadas.
Aos poucos foi notando que estava de volta ao estoque da loja de seu tio, e que o mesmo estava em pé, bem à sua frente, segurando a bolinha peluda e rosa em uma das mãos, e o baú na outra.
— Cuidado tio, ele vai aprontar das suas! – Mhero gritou, ao ver a cena
— Não, não vai – seu tio respondeu, colocando-o no interior do baú, e trancando-o – O que eu te disse sobre não mexer em nada?
Seu tio guardou o baú no local onde estivera antes. Era um homem alto, com um bom porte físico, e um olhar severo e imponente. Tinha o cabelo e a barba muito bem aparadas, começando a ficar grisalhas, e um par de óculos a lhe conferir um tom mais intelectual que os demais ao seu redor. Estava muito zangado.
— Lembro muito bem de ter deixado esse baú trancado!
Mhero ficou cabisbaixo.
— Senti muita curiosidade...
— Essa curiosidade podia ter te matado!
—  O que é essa coisa? – O rapaz indagou, tentando se esquivar da zanga de seu tio
— Um viramundo.
— Um vira o que?
— Viramundo. É uma criatura mágica, pode ir a qualquer canto do mundo em um piscar de olhos. E tenho certeza que te levou a lugares bem distantes, não é mesmo?
Mhero apenas assentiu com a cabeça. O tio continuou com a bronca:
— Teve sorte que ele o tenha buscado, poderia ter largado-o no primeiro lugar onde foram! E eu nunca iria saber como encontra-lo, seu idiota!
 Mhero queria cavar um buraco no chão e enfiar sua cabeça dentro. O tio, por sua vez, virou-se para voltar para o salão da loja.
— Vou reduzir seu pagamento pela metade – declarou
— O que? Isso não é justo – Mhero protestou, se levantando
— Não é justo você violar a fechadura das minhas coisas.
— Essa coisinha me levou até o ninho de um dragão! Você não me disse que tinha algo tão perigoso guardado aqui.
— “Não mexa em nada”, lembra. Mas você deu sorte. Ele gostou de você, senão, teria te deixado lá com o dragão.
Por mais que Mhero protestasse, seu tio lhe deu apenas metade do pagamento, e o dispensou da loja com mais duas broncas. Refletiu sobre tudo que acontecera, enquanto encarava as moedas. Sem dúvidas, precisava de uma cerveja. Mas uma coisa era certo: tudo aquilo daria uma excelente história!

Guardiões da Galáxia Vol. 2

Fui ver o segundo Guardiões da Galáxia. Não levo comigo expectativas mais, já entendi que aquela grande epopeia da Marvel, onde filmes e seriados estão intrinsecamente interligados em eventos que irão culminar em uma grandiosa batalha. Não, eu já desisti dessa ideia.
Guardiões da Galáxia não move a trama infinita, e nem mesmo tem uma joia infinita. Ao invés disso, se foca em desenvolver um tanto mais seus personagens e suas relações. O grupo já abre o filme com uma dinâmica totalmente diferente do filme anterior, eles aprenderam a lutar juntos e vão lidando com os contratempos de um combate de maneira variada. Mesmo que ainda não se entendam totalmente.


O filme é muito colorido. Muito! Se reclamavam que a Marvel não é “sombria”, imagino que deve ter tido gente enfartando em plena sala de cinema. Os cenários são variados, com muitas formas, muitas cores, todas vibrantes. Tudo pulsa na tela, até mesmo as batalhas espaciais, com naves cheias de formas e cores, passando por asteroides com um brilho verde escuro. O que não é ruim, muito pelo contrário.

O filme é muito bonito visualmente. A raça nova apresentada, os Soberanos, que possuem todos peles douradas, e um comportamento altamente arrogante e narcisista, foi um dos pontos do filme que mais gostei.
Toda a sequência de abertura do filme foi muito boa. Os guardiões estão prestando um serviço aos Soberanos, proteger uma série de baterias que eram alvo de um monstro cheio de tentáculos, que queria se alimentar delas. E o filme abre com isso: uma grande cena de batalha desfocada, enquanto o pequeno Groot dança entre os créditos inicias, sempre a interagir com alguém que é arremessado pela fera e atrapalha sua dança.

E como sequência, os guardiões trocam as baterias pela Nebula. Gamora declara que eles pretendem entrega-la pela generosa recompensa. E, malandramente, Rocket rouba algumas das baterias, como um bônus.
Os Soberanos são tão orgulhosos que não admitem nenhum desaforo, e imediatamente iniciam uma perseguição aos guardiões, que não tem escolha, a não ser fugir. Grandes sequências de ação, e muita interação entre os personagens, abriram o filme de forma excelente. A partir daí, a trama central envolvendo Ego, o pai de Peter, se inicia.
É dado muito destaque a outros personagens que não tiveram tanto espaço no primeiro filme. Yondu é o que mais tem suas motivações e arrependimentos aprofundados, dando ao personagem uma dimensão muito maior.
E temos muitas piadas. Muitas mesmo. Algumas são ótimas, outras são boas, mas algumas são bem ruinzinhas. A verdade é que o filme não se leva a sério em momento algum, e algumas piadas foram grandes corta clímax, que pra mim acabou diminuindo o brilho do filme.




As músicas foram, evidentemente, escolhidas a dedo. Muitos diálogos giram em torno de suas letras, e tem significado com o que está acontecendo em tela. Não fica jogado, como em Esquadrão Suicida. Referências estão por toda parte, para quem tiver os conhecimentos para notar.
A trama principal é um pouco devagar, e o desfecho ficou um pouco abaixo do que eu esperava. Filme divertido, não há como negar, mas não me ganhou por completo. Já explico o porquê.
Quero ver essa trama Infinita logo. Já estamos sendo cozinhados por ela a tanto tempo, que qualquer coisa que não tenha a ver com ela só me deixa mais cansado de esperar, e aumenta meus temores de que no fim das contas, Thanos seja apenas mais um vilão qualquer...
Tirando isso, o filme cumpre o que promete. Diverte, e diverte bem, embora tenha seus defeitos, e suas frases piegas, tudo parece ter sido muito bem feito e muito bem pensado, nos entregando um filme coeso e visualmente muito bonito, com a melhor participação do Stan Lee de todos os tempos.

Ah, e não saiam do cinema tão cedo, são mesmo cinco cenas pós-créditos... os caras tão perdendo os limites...

Kimi no Na wa

Como eu sou totalmente por fora de todos os assuntos, cabe a mim buscar listas de coisas que são boas para assistir. Os animes ultimamente nenhum que eu escolho tem me agradado, e por isso, fui até o IntoxiAnimes lá no youtube, ver as listas que o canal dispõe. Em uma das listas, de quinze melhores animes de viagem no tempo, o segundo posto da lista estava ocupado por Kimi no na wa.



Ranqueado em primeiro no My Anime List, o anime conta sobre a passagem de um cometa chamado Tiamat, e os estranhos eventos que ele desencadeia na vida de dois jovens bem distintos, Taki, um jovem que vive em Tóquio, e tem uma agitada vida de cidade grande, conciliando a escola
com um trabalho como garçom em um restaurante italiano; e a Miyamizu, uma garota que vive em uma aldeia de interior, numa vizinhança pacata e tranquila, totalmente diferente do que a menina gostaria. Os dois andam tendo sonhos estranhos, vividos até demais, e ambos possuem uma ligação tão complexa que seria spoiler contar aqui.
Esse é um tipo de anime que vale assistir, conta com muita maestria uma história bonita, cheia de detalhes do cotidiano dos personagens, coisas simples, mas que enriquecem muito a experiência de quem tá assistindo. A trama que parece bobinha no começo, te pega pela mão, e vai te conduzindo devagar, te mostrando bem cada pedacinho do que deve ser contado e observado.
O anime é muito bem animado, com traços fluídos e cenários belíssimos. Algumas cenas utilizam alguns ângulos bem incomuns, tornando as transições entre as cenas bem dinâmicas e divertidas. Existem grandes cenas onde todo um cenário gigantesco toma conta da tela, cenas muito belas, diga-se de passagem.
E algumas tomadas dessas tomam um tom majestoso, pelo conjunto de cores, trilha sonora, efeitos sonoros e as emoções que transbordam pelos personagens presentes. Todo um trabalho feito com muito esmero, que nos entrega uma animação excelente, que valeu cada minuto investido.
Agora falemos sobre a trama, e se você não quiser spoilers, pare por aqui.



Tudo começa com o que parece serem sonhos malucos, mas os dois estão trocando de corpo. De começo, isso traz cenas bem engraçadas, principalmente com a Miyamizu no corpo de garoto, ela transparece um comportamento feminino muito forte que até chama a atenção dos que estão por perto.
Sem saber maiores explicações, os dois aprendem a lidar com essas trocas casuais, e estabelecem até um meio de comunicação, por onde definem regras do que pode e o que não deve ser feito no corpo um do outro.
Sem perceberem, os dois começam a nutrir um laço forte um pelo outro. E então, simplesmente param de trocar. E essa foi uma das grandes sacadas do anime. Quando Taki começa a procurar pela cidade onde ela morava, ele descobre que aquele pequeno vilarejo fora arrasado por fragmentos do cometa Tiamat, a três anos atrás!
Os dois trocavam de corpo através do tempo! Genial!
Taki tenta de tudo para que possam trocar uma vez mais, e vai até um antigo templo, nos destroços da aldeia, quando as lembranças perdidas retornam sua mente. Ele se lembra que Miyamizu o encontrou em Tóquio, a três anos atrás. Mas naquele tempo, ele não conhecia ela!
Taki em 2016 (não sei se o anime se passa nesse ano, mas vamos supor que sim) troca com Miyamizu em 2013. Em 2013 ela conhece ele, sabe como ele é, e vai para Tóquio encontra-lo. Mas em 2013, Taki não a conhece, pois é só em 2016 que ele irá começar a ter essa complexa experiência, e enfim conhece-la.
Espero que seu cérebro não tenha dado um nó muito forte. Por conta disso, ele não reagiu da forma como Miyamizu esperava, mas a garota entrega a fita de seu cabelo a ele, fita essa que o acompanhava desde o início.




Mas ainda existe um cometa, e um desastre a ser evitado. As coisas se desenrolam de uma forma que nos leva a perguntar se realmente ocorreu alguma viagem no tempo, ou se foi tudo uma ilusão da cabeça de Taki. O fato é que as coisas mudaram.
E pra fechar a conta, os dois perdem as memórias um do outro. Ai pronto, não dá pra saber o que realmente aconteceu. Acaba que eles nem se encontram, e muitos anos se passam, cada um seguindo suas vidas, apenas com uma triste sensação de que algo está faltando.

Kimi no na wa pode nos proporcionar uma boa reflexão sobre paradoxos e linhas temporais, e nos entrega uma ótima história. Fico feliz de ter assistido um anime bom, finalmente. Um anime que falou com sentimentos, e me fez parar para ouvir com atenção. É isso, espero que tenham tido uma experiência vendo o anime tão interessante quanto eu. Até a próxima!
←  Anterior Proxima  → Inicio

Seguidores

Total de visualizações

Arquivos

Link-me

CronicaEx
Connection -

Parceiros

Popular Posts