Divididos cairemos


Finalmente chegamos na Civil War do MCU. Como esperei por esse dia... me lembro de quando os boatos começaram a surgir, antes mesmo da Era de Ultron ter sido lançada... de lá pra cá o número de heróis aumentou, que era o principal temor a respeito desse filme. De fato, o tamanho do confronto não chega perto da Hq, mas o nerd orgulhoso deve deixar a hq separada quando for ver o filme.
 Capitão América Guerra Civil inicia a fase 3 da Marvel, e é um divisor de águas. E se você não assistiu ainda, esse texto terá SPOILER.


 

Quero começar dizendo que ouhhhhhhhuw, que filme espetacular! As cenas de luta, os diálogos, a trama, o clima tenso que vai crescendo, e as piadas, tudo muito bem dosado, muito bem feito, muito bem construído! O filme demora a chegar no confronto que todos queremos ver, pois passa boa parte construíndo as motivações, os personagens. Cada herói foi aproveitado de maneira única, a impressão que fica é que nem
mesmo um ficou jogado, cada um sendo explorado de maneira a fortalecer o filme.
 O Homem de ferro está sentindo um grande peso pelas perdas que todas as batalhas anteriores causaram. E isso o leva a se posicionar a favor do registro. Os heróis precisam ser controlados, porque todo esse tempo que agiram livremente, o número de mortes foi maior do que o aceitável. Seja como for, ele irá apoiar.

 Já o Capitão América sente sim, o peso das mortes inocentes. As que acontecem nesse filme, inclusive. Mas e se o governo controlar os Vingadores, e acabar decidindo que eles não devem ir para um lugar, e por esse motivo, vidas se perderem? Governos são formados por ideologias, e elas mudam com o tempo, os heróis devem estar acima disso.
O filme trabalha muito bem isso. Não a uma convicção absoluta de estar fazendo o que é certo, os dois possuem dúvidas,o bandeiroso quase assina o registro em um determinado momento... mas os acontecimentos do filme acabam levando as coisas ao extremo...
 O Pantera tá incrível. Sua introdução não deixou dúvidas de o personagem é grandioso. Ele bate de frente com qualquer um que entrar em seu caminho, e suas sequências de luta são fenomenais. Tanto quanto as do
Homem Aranha. Introduzido ali rapidinho, o teioso rouba a cena, o uniforme ficou lindo de se ver, e as piadinhas feitas por ele são demais. Dois heróis novos, que vão ter filmes solos, pelos quais mal posso esperar.
 E o Homem Formiga também está demais! Toda a cena de combate no aeroporto meio que gira em torno dele quando o pequeno se torna um gigante. E que sequência de luta! Me atrevo a dizer que é a melhor cena envolvendo heróis que já vi!



 O embate final, quando todo o descontrole da situação chega no ponto máximo, Tony deixa de lado tudo, e passa a buscar vingança, por seus pais mortos pelo Soldado Invernal. Essa luta me deixou tenso... suas referências a hq foram lindas, sendo encerrada deixando marcas, mágoas em ambos.
 Eu, como bom marveco que sou, adorei o filme. Pra mim, acho que o filme é 10. Mas sou suspeito, e estou na empolgação, não vou dar nota... o filme é grandioso, épico, parece mesclar estilos de filmes diferentes, cheio de elementos de filmes de ação, com os vilões terroristas do mal causando explosões e tentando soltar um vírus, tem heróis caindo na porrada, mas também tem muito desenvolvimento de personagem.
 Só digo uma coisa... quero ver de novo!

Porrada e Espada

 Dos saudosos tempos do fliperama, a franquia The King of Fighters ressurge, num jogo exclusivo para Ps4
(uhuuuuuulll), lançamento marcado para 23 de agosto deste ano. The King of Fighter nasceu do crossover entre Fatal Fury e Art of Fighing, e acabou se tornando maior que ambos. Um dos grandes títulos de luta, Kof tem um espaço no coração de muitos gamers.
 Kof XIV contará com trios clássicos e novos, formando um quadro de 50 personagens. Os gráficos agora serão em 3d, porém o modo de luta contínua o clássico plano bidimensional. Faz tempo que não sai nada de Kof, eu tô ansioso aqui:




 É isso ai... Mudando de assunto, mas continuando nos games, eu to aqui empacado no The Witcher 3. Sim, ainda não terminei o jogo, por que além de ser um game gigantesco, toda vez que jogo-o, me perco na quantidade de missões secundárias.
 Mas cada missão, cada pequeno pedaço desse jogo tem uma história pra contar. Pra quem não conhece, Geralt é um "witcher", um "bruxeiro", que são pessoas que passaram por um duro treinamento, e por modificações em seus corpos, e eles caçam monstros, demônios e assombrações...
 Geralt de Rívia, conhecido como "lobo branco", está em uma busca por Ciri, uma jovem que ele considera como filha, e que vem sendo perseguido pela Wild Hunt, seres obscuros que querem trazer o fim ao mundo.




É isso ai, meu povo! Tentei fazer um gameplay junto com o Kaito ontem, fomos boicotados por nosso próprio Ps4, que decidiu que não iria salvar o vídeo... paciência... Mas acreditem em mim, foi épico! Até a próxima!

Ninjas assassinos e metralhadoras

 Eu sou ruim pra escrever análises, por isso acabo fugindo de fazer a maioria... é só olhar o meu recente post sobre O Predestinado, que ficou basicamente um resumo do filme... e tem análises que estão na gaveta, condenadas a nunca ver a luz do sol.
 Encontrar o estilo de escrita, mesmo após quatro anos, ainda é difícil pra mim, tanto que se você fuçar um pouco no blog, é capaz de encontrar grandes diferenças no estilo de um post pro outro. Mas por que eu estou falando isso? Ah sei lá... pra servir de desculpa de eu nunca ter falado sobre a primeira temporada de Demolidor por aqui...

 Mas enfim, todo mundo sabe que a primeira temporada do "Atrevido" é ótima. Capuz negro, porrada no corredor, violência, herói e vilão em ascensão. Foi uma ótima temporada, o que nos trouxe até a segunda com altas expectativas.

 SE VOCÊ NÃO ASSISTIU AINDA, PODEM EXISTIR SPOILERS

  Eu gostei da segunda temporada.Embora ainda ache a primeira melhor, acho que a segunda manteve o
nível. Porém, houve algumas coisas que me desagradaram um pouco. A coreografia das lutas nos dois primeiros episódios me causou estranheza. Achei que estava plástico demais. Embora isso melhore no decorrer dos episódios. A luta nas escadarias, contra a gangue dos motoqueiro foi uma sequência enorme, de prender a respiração. Como ficou boa essa cena. E eu fiquei pensando no motoqueiro fantasma, vendo o Devil usando aquela corrente.

 O embate ideológico entre o Demolidor e o Justiceiro durou praticamente a temporada inteira! E era isso
que eu queria ter visto em Batman V Superman... Matt Murdock cada vez mais incerto se seus métodos funcionam, e francamente, tiraram essa temporada pra fazer o herói duvidar de si mesmo... se já não bastasse o Justiceiro, a Elecktra também surge, pra matar e esquartejar bandido. Gostei muito de todo esse conflito, se um herói mata ou não, qual é o limite onde ele deve parar. E como disse o Justiceiro "Vermelho, você está a um dia ruim de se tornar como eu!"

 E o Justiceiro! Ah, como ele rouba a cena! Tá incrível, surtado, passa a série inteira com o rosto arrebentado. E ele é convicto do que faz. Sua missão está clara diante de seus olhos. E como o desgraçado é violento! A cena da luta na prisão foi de uma brutalidade linda de se ver!

 E a participação do Rei foi a cereja do bolo. Foi breve, e mostrou muito do que o personagem irá se tornar. E sua ameaça ficou no ar, de que irá destruir Nelson e Murdock.

 E por falar no Nelson, ele foi bastante bipolar pra mim... se teve cenas que gostei, todo o drama entre ele e seu amigo vigilante foi um porre... sério, se algum amigo meu fosse o Demolidor,eu o daria todo apoio! Krai, tu é o Demolidor, vai lá e arrebenta! Karen, por outro lado, me agradou mais, indo pro jornal, se tornando uma investigadora.

A Elecktra eu achei irritante. Embora toda a construção dela,e todo o dilema que ela passou, como a mulher é instável! E sério, como o Demolidor apanha... mas em suma, me decepcionou o tentáculo não ter liberto nenhum demônio ancestral, por mais que sejam numerosos, são apenas ninjas, e eu queria ver algo a mais...
chega uma hora que cansa ver ninjas apanhando...

 Mas enfim, a temporada é boa, como disse antes, manteve a média. Em breve estaremos gravando um cast sobre as duas temporadas da série, aguardem... e quanto a minha nota, eu diria que a segunda temporada de Demolidor merece 8,5. Me perdeu ali pro meio, teve algumas barrigas, mas quando me prendeu, o fez com violência. A Netflix mantém a qualidade, e podemos esperar por coisas boas vindo ai. Só que eu quero mais referências, pessoal! 

Gilgamesh em ócio uma vez mais

 Oláááá queridos leitores! Um formato de post que a muito eu não faço. Dos tempos em, que o blog não devia ter mais que cinco membros, e a maioria trabalhava junto comigo, quando meu nome não era Jyuuken, mas sim Gilgamesh... nostálgicos tempos, onde eu ficava entediado nas madrugadas e acabava por fazer posts sem conexão entre os assuntos.
 É o meu tipo favorito de post.

 Primeiro, quero deixar duas recomendações aqui. A primeira é o The Cast, o podcast da Slice,
embaixadora do Spirit (super famosa, por sinal), onde ela fala sobre as categorias mais populares de fanfics. Aliás, essa já é uma outra grande dica: Fanfics. Se você gosta de ler, e de reimaginar personagens, fanfics é o que você procura. E o Spirit é o lugar onde elas nascem. Existem inúmeros tipo de fanfics, e pra que explicar se a Slice já fez isso? Confere ai o podcast dela.

 O outro podcast que quero indicar aqui é o Pelada na net, um podcast, vejam, vocês, sobre futebol. Vitin (o príncipe negro), Pepe, Doug Lira e muitos outros se reunem semanalmente para um dos podcasts mais
hilários que já encontrei. Humor nonsense, e muitas risadas dos próprios participantes (risadas de verdade, não aquilo que se escuta no Nerdcast). Eu gosto por que me ensina e me faz rir.

 Mudando um pouco de assunto, quem me conhece de perto sabe como eu torço o nariz pra músicas nacionais. E por insistência da Aline, a Darkhearth, eu acabei parando pra ouvir Engenheiros do Havaii. Eu até curti o som dos caras! Dou destaque aqui para a música "Depois de Nós":




No Sentimentos Estranhos tem um post falando um pouco sobre a banda, Clique aqui e confira. E eu não sei se já falei por aqui, mas a Aline, cheia de inspiração e revolta lançou mais um Cólera Poética.


Seu diploma era um atestado
Para poder proliferar idealismos raivosos
Deturpava tudo, desfazia o estado
Deixava os verdadeiros doutores furiosos.


 Então clica ai e confere!


 E pra fechar, a temporada de animes começou! E de tudo que eu vi até agora (o que não é muita coisa), o anime que mais me chamou a atenção foi Re:Zero kara Hajimeru Isekai Seikatsu! O anime conta a história de Subaru, um jovem personagem principal que tem todos os clichês obrigatórios, que de repente se vê em um mundo medieval de fantasia. O legal é que ele usa metalinguagem, e Subaru fica a todo momento dizendo o que
deve acontecer, já que ele está sendo o protagonista de uma aventura.
 Mas o anime não é só isso. Acontecimentos o levam a entrar em confronto com pessoas perigosas, e acabar sendo morto... apenas para despertar no inicio do dia. Preso no mesmo ciclo, o dia da marmota! São dois conceitos muito bons que aborda esse anime, e se olharmos bem a abertura... esse anime promete!



 É isso galera, fiquem de olho que em breve teremos novidades no canal... e um podcast sobre Gantz! Aguardem!

O Predestinado

 Vamos falar sobre um filme de viagem no tempo, que fará sua cabeça exploldir. O predestinado, filme australiano lançado em 2014, que contam sobre um agente temporal ( interpretado por Ethan Hawke, que
para fins de facilitar meu texto, vamos chamar de Ethan, já que o personagem ficou sem nome) que viaja através de inúmeras linhas temporais, impedindo os mais diversos crimes.
 Uma agência governamental secreta criou a máquina do tempo, e com ela é possível "saltar" cerca de cinquenta anos antes ou depois da data da criação da mesma. Ela é curiosa, tendo a forma de uma caixa de viola, guitarra sei lá... e sua precisão é incírvel.
 Sendo assim, Ethan é o maior agente dessa organização, mas existe um criminoso que ele nunca conseguiu impedir. Um terrorista chamado de "Detonador Sussurante", que comete atentados a bomba. Sua última missão será a de capturar o terrorista...
 E se você chegou até aqui sem ver o filme, pare e vá assistir, pois pretendo destilar spoilers do filme de forma deliberada.

 Dito isso, vamos começar a verdadeira conversa...




  Era uma vez uma pequena menininha chamada Jane....

 O filme começa com uma estranha cena, onde Ethan persegue o Detonador Sussurrante, e acaba com uma grave queimadura em seu rosto. Ele salta para o que deve ser a sede da organização, e lá recebe o tratamento para seus ferimentos. Recebe um transplante de rosto, e é fácil boiar diante disso. Na sequência, algum tempo se passa, e o agente está completamente recuperado. Recebe então instruções para sua última missão.
 Os agentes devem causar o mínimo de impacto na épóca para a qual vão. Por isso vemos Ethan trabalhando de Barman. E então surge Jhon, um rapaz que parece amargurado e perturbado. Os dois começam a conversar, e Jhon começa a nos contar sua história.
 E é ai que tudo fica maluco.

 Jhon começa contando que quando ele era uma menina... sim, ele era uma menina, seu nome era Jane, e havia sido abandonada em orfanato quando bebê. Ok, eu já estava surpreso ai. Meu primeiro palpite era que ele e Ethan fossem a mesma pessoa.
 Mas com o desenrolar da história de Jane, descobrimos que ela teve um grande amor, um homem misterioso que ela havia encontrado na porta da faculdade. Mas tal qual uma novela mexicana, o amor da vida dela a deixou.
 Mas não antes de engravidá-la. Mesmo solteira, Jane tem a filha. Sim, uma menina. "A melhor coisa que aconteceu em minha vida". Porém, o parto trouxe a tona sua condição: ela era portadora dos dois sexos, e o
trabalho de parto destruiu seu útero, forçando a equipe médica a fazer uma cirurgia de mudança de sexo nela.
 E como se não bastasse, sua filha foi raptada. Sua filha que também se chamaria Jane.
 E foi assim que Jane se tornou Jhon, e uma das melhores cenas do filme, quando a ainda Jane tenta aprender a agir como um homem, em lágrimas, repetindo "olá, meu nome é Jane", com a voz desajustada por conta dos hormônios.
 E nisso se passaram trinta minutos de filme. Eu penso com meus botões: ok, isso está estranho... pensei que fosse sobre viajem no tempo...


 Ethan então se revela como agente temporal, e promete entregar a Jhon o homem que arruinou sua vida, o seu caso amoroso o deixou. Ele seria o Detonador Sussurante, e caberia a Jhon matá-lo. Ethan o leva até o
dia em que Jane irá se encontar com o sujeito.
 Mas quem encontra quem é Jhon e Jane. A mesma pessoa, de linhas do tempo diferentes. Jhon sente sua própria dor ao se ver no passado, e tudo que ele quer é protegê-la... cuidar para que não fique mais sozinha...
 Jhon se apaixona por Jane. Ele está amando a si mesmo! E amando no sentido bíblico! E isso é bizarramente insano, explode a cabeça de qualquer um!
 E depois de um tempo, Ethan vem buscá-lo. Era essa a missão, e estava feito. Ele deveria ser o pai da criança que Jane viria a dar a luz. Esse era o ciclo. Relutante, Jhon é levado para o futuro. E Ethan salta até o dia em que a filha de Jane foi sequestrada. Ele é o sequestrador. E não só isso. A criança deve ser levada para o passado. E deve ser deixada na porta de um orfanato. Seu nome é Jane!
 Oh, my god! Jon é pai, mãe e filha!!!! Eles são,os três, o mesmo ser! Nesse momento meu cérebro convulsiona, e espumando pela boca,vejo que o filme ainda não acabou...
 Como se isso não bastasse, o agente que estamos chamando de Ethan, é na verdade, Jhon, só que mais velho!
 O que mais faltava acontecer? Ethan decide fazer seu ultimo salto para uma data próxima do maior atentado do Sussurrante, uma última chance de detê-lo. Ele segue pistas que o levam a um encontro com seu inimigo, em uma lavanderia... Ethan foi um grande agente, impediu muitos crimes, salvou muitas vidas, o maior agente dessa organização... tudo devido a sua determinação, a sua vontade de impedir esse maldito
terrorista...
 Logo, o Detonador Sussurante tem impacto direto sobre ele. Um moldou o outro.
  E o final do filme nos revela que Detonador Sussurrante é a última forma, um envelhecido Ethan, perdido no tempo, cometendo atos questionáveis para que a linha temporal transcorra como tem que ser...
 É fantastico! Todos os personagens são um só! Desde o bebê abandonado ao grande vilão, presos pelas intrigas do tempo, são diferentes formas da mesma pessoa!

 É isso que acontece quando se viaja no tempo, e se interage com alguma coisa. A mente humana implode, o filme é surpreendente, me deixou de boca aberta várias vezes. E é o tipo de filme que você fica pensando depois. Eu adoro essa sensação. Nota 9,5, filme recomendadíssimo.
 E é claro, se esse texto ficou confuso, é por que minha mente ainda está empolgada com o que acabou de ver...

The Walking Dead Season Finale


   E finalmente chegamos ao ultimo episodio da 6 ª temporada, e neste episodio ocorreu algo muito importante, o surgimento de Negan (Jeffrey Dean Morgan).          
                                                                            



    O episodio foi meio enrolado com algumas poucas cenas de ação, contou com a participação de Steven Ogg( também conhecido como Trevor). Rick (Andrew Lincoln) decide levar Magie (Lauren Cohan) que está com dores por causa da gravidez, para colônia Hilltop. Eles vã
o no trailer do Abraham (Michal Cudlitz).
 
Enquanto isso Morgan (Lennie James) continua a procura por Carol (Melissa McBride), não demora para que ele a encontre, ferida e relutante em voltar ao grupo. Morgan tenta convence-la a não desistir, mas mesmo assim, Carol parte sozinha.Ela acaba sendo encontrada por um salvador, que a tortura disparando dois tiros nela.
 "Você irá morrer lentamente", quando tudo parece perdido, Morgan os encontra, e acaba matando o salvador. Na sequência, os dois são encontrados por  dois homens que estão montados a cavalo e de armadura, que parecem ser soldados do Ezekiel. Como Carol está muito ferida, Morgan aceita ir com eles.
   Voltando para o Rick, os salvadores bloquearam todos os caminhos, impossibilitando eles de irem para Hilltop (isso toma boa parte do espisódio). Como os salvadores sabiam que eles estavam indo no trailer, o grupo de Rick teve a ideia de só uma pessoa ir no trailer, servindo de isca, e o resto iria levar a Magie pela floresta. Quem se habilita é Eugene (Joh McDermitt). mas nada disso funciona, pois eles nem avançam muito e são capturados, sendo cercados por muitos Salvadores,inclusive  Dwight (Austin Amelio), que traz Glenn (Steven Yeun), Daryl (Norman Reedus), Michonne (Danai Gurira) e Rosita(Christian Serratos).
 O grupo de Rick é posto de joelhos, e completamente desarmados. E ai surge Negan !!!

 Trazendo Lucille, o personagem está muito bem caracterizado, sendo interpretado por Jefrey Dean Morgan, o vilão começa então a discursar sobre como Rick matou muitos salvadores, e que agora eles
trabalham para ele, mas mesmo assim, o grupo deveria ser punido. Negan passa então a brincar com os nervos não só do grupo, mas de quem está assistindo, escolhendo com uni duni tê,quem ele mataria. Neste momento, a câmera fica na 1ª pessoa do escolhido, que não foi revelado, Negan acerta golpes com Lucille, mas sem mostrar que é o alvo,e assim acabou o episodio.

      Na minha opinião, o episódio teve algumas falhas. Talvez tenha sido arrastado demais, os vários encontros com os salvadores. Mas toda a construção da cena final, quando Negan finalmente aparece, rouba e muito a cena. Jefrey Dean Morgan está um monstro de atuação. Ao mesmo tempo que Andrew Lincoln, ali, de joelhos, está completamente apavorado! Que atuação fantástica! E o fato de não ter revelado quem morreu, dividiu opiniões. Eu fiquei puto!
 Mas é inegável que esse foi um baita cliffhanger. Nota 8.

Batman V Superman

 O mundo se dividiu. As pessoas se tornaram agressivas e intolerantes, e o novo filme da Dc rachou nossa sociedade nerd.  O embate titânico entre os dois maiores heróis de nosso mundo infelizmente não atingiu o coração de todos.Mas o filme é essa bomba que a crítica está pintando? Ou essa obra prima que alguns fãs estão cantando? Pra você que ainda não viu o filme, o post tem spoilers, então só leia até aqui: As opiniões estão sendo exageradas de ambos os lados, e o filme merece sim ser visto, em uma tela grande, com um bom sistema de som, e em 2d se possível. Você irá amar ou odiar, mas o filme tem sim o seu valor, então vá vê-lo.













Dito isso, vamos por partes... faz parte dos projetos do CronicaEx um podcast sobre esse filme (assim como um sobre Deadpool kkkkkkkk), por isso acabei demorando pra fazer esse post... mas como to entediado aqui no trabalho, por que não escrever algo de não tão útil?
 Começo falando sobe o Batffleck. A internet se enganou, afinal, e nós acertamos no primeiro podcast: Ben

Affleck é um bom Batman.E me atrevo a dizer que um Bruce Wayne melhor ainda. Toda sua postura quando está em um meio civil, sua carranca que não muda por nada, um Bruce velhaco, que visivelmente está cansado de toda essa merda.
 E furioso com o Super. A sequência de destruição no começo, mostrando um ponto de vista diferente da batalha contra o Zod foi incrível. Todo o desespero das pessoas (inclusive do Batman) de estar no meio de uma batalha entre deuses,  aliado a incríveis efeitos visuais e sonoros, a sequência foi de tirar o fôlego. E ela também acentua o como o Superman foi burro no primeiro filme! Como a batalha foi terrível!

 

E isso deixa o Bruce puto da vida, querendo quebrar a porrada nesse alien de azul. Como Batman, Ben Affleck foi torrudo, violento, queixudo, mas eu achei suas expressões um tanto engraçadas. Principalmente em seu primeiro encontro com o Super, de dentro do Batmóvel (que na minha opinião, foi um veiculo sem muita importância e destaque), a expressão de "fudeu, to fudido" do Batman foi impagável.
 E se Ben Afleck consegue várias expressões, e passar seu ódio a quem tá assistindo, Henry Cavill é o oposto. O Superman parece totalmente distante da humanidade, sempre com a mesma expressão de superioridade/confusão. O carisma passado é muito baixo, o que é uma pena...
 Mas o ponto baixo do filme mesmo é o Lex Luthor. Irritante, afetado, seus planos não fazem o menor sentido,e se a idéia era criar um vilão carismático e genial, falharam miseravelmente. Esse Luthor é filho do Luthor original, e por algum motivo, quer jogar um herói contra o outro, mas fornecendo ao Batman (de forma disfarçada) a criptonita necessária para matar o homem de aço. Mas ele também consegue acesso a nave e ao corpo de Zod, e com um pouco de sangue ele dá origem ao Apocalipse... que não devia estar no filme.


 Não era necessário um monstro. Não era necessário que Lex sequestrasse a mãe do Super pra fazer os dois heróis brigarem! Os dois tem diferenças ideológicas o suficiente para entrarem em um grande conflito. E foi isso que faltou na luta entre os dois: um pano de fundo filosófico, um embate de ideias. A luta é boa, cada porrada que ambos recebem doí em você que está vendo dois ícones se degladiando... mas o motivo não é tão forte quanto deveria ser. E por isso toda essa crítica! Por que maior que homem de ferro vs capitão, maior que goku vs vegeta, shyriuu vs seiya, ryu vs ken, e BATMAN VS SUPERMAN! E o embate entre os dois, que é o título do filme,e deveria ser a unica coisa que movesse a trama, infelizmente foi mal utilizado, e atrapalhada por Lex Luthor e seus trejeitos irritantes.

 Mas a luta é muito boa. Batman está cego por sua fúria, e só não matou o Super por seu fraco com o nome Martha.
 Mas no fim, todo mundo se junta pra enfrentar Apocalipse, a Mulher Maravilha está muito legal, ali na porradaria, certeza que chamou muita gente pro filme solo dela. E o desfecho, a morte do Superman... como assim ele morre no segundo filme que vai estabelecer o universo dc nos cinemas? A Warner está muito apressada, e isso ficou claro nesse filme...


 A fotografia do filme é incrível, as tomadas aéreas fantásticas, a cena do deserto tem cada frame lindo de se ver. Visualmente o filme é uma obra magnifica. E a trilha sonora também, épica. Ouvi alguns dizendo que só a música da mulher maravilha é boa. Blasfêmia! A música atinge um tom épico que poucas músicas conseguem.

 Enfim, o filme não é a revolução que Snyder prometeu. Muito menos a porcaria que a critica diz ter visto. Por mais que as criticas estejam certas, estão sendo um tanto injusto. O filme é bom, tem muita ação, efeitos bons, trilha boa, alguns personagens não tão interessante, e vários furos de roteiro e montagem, mas ainda assim, ver a trindade da Dc nas telonas, finalmente, me fez vibrar, meu sangue ferver... é o filme que deveria ser? Não. Batman Vs Superman, sem subtítulos, deveria ser algo muito maior que foi esse filme. Porém, Batman V Superman A origem da Justiça é um bom filme. Nota 8.

 Espero que essas criticas não acabem fazendo a Warner tomar atitudes erradas, que acabem arruinando a Liga da Justiça, uma vez mais.


←  Anterior Proxima  → Inicio

Seguidores

Total de visualizações

Link-me

CronicaEx
Connection -

Parceiros

Popular Posts